Parabéns

Parabéns
Participem com contos, sugestões e fotos para incluir no nosso blog. Podem enviar para o nosso contacto : pontoerotyco@gmail.com - vamos chegar às 400 000 visualizações

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

ANAL COM SABOR A CHOCOLATE - VÍDEOS

Como tenho leitores, que só vêm aqui por causa dos vídeos, aqui vão mais uns. De uns paus cor de chocolate....disfrutem!
video
video
video
video
video
video

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

SEXO VIRTUAL- O QUE LEVA TANTA GENTE A GOSTAR DISTO??

Hoje vamos falar um pouco sobre um tema bem actual:

 SEXO VIRTUAL.


Quando se fala em Sexo Virtual, a maioria das pessoas pensa logo em câmaras ligadas e masturbação conjunta. Na verdade, existem várias formas de fazer sexo virtual, seja com conversas sensuais escritas, mostrando fotos,  usando áudio ou usando câmara, com exibição apenas de uma das pessoas ou de ambas, dependendo do gosto de cada um.

video

O que leva cada vez mais pessoas a gostarem dessa prática? Será para buscarem novas aventuras, novas formas de prazer? Ou será um modo de provarem o gosto da conquista, da sedução, mostrando que ainda sabem seduzir, deixar alguém louco?
Não existe dúvidas, que através da net, podemos seduzir e realizar as nossas fantasias mais secretas, e vivê-las como se fossem reais. Penso que ajuda também muita gente a ganhar auto-estima ou a perder a timidez. É um modo de nos descobrirmos mais, de nos tocarmos, de testarmos o que nos dá prazer, ajuda-nos a ter mais confiança no nosso corpo.


 Resolvi recolher algumas opiniões junto de amigos meus, aqui da net, que acederam a falar um pouco, sobre o que os leva a buscar o prazer virtual, ou a gostar disso.





A Anita, tem 38 anos, é casada e bem comportada na vida real… não curte muito camaras ligadas, mas é óptima com a escrita, afirma que já deixou muitos homens loucos, só de lerem o que escreve para eles «acho que consigo envolvê-los e fazê-los imaginar a cena, quando escrevo. Até os que falavam que não gostavam disso, acabaram por se render. Gosto do poder que isso me dá, na vida real sou uma mulher bem comportada, aqui saio da linha, atrás do pc, posso viver todas as minhas fantasias mais loucas. Dá-me um poder tremendo saber que os faço gozar, muitas vezes em locais bem perigosos, já fiz muitos correrem para as casas de banho do local de trabalho,  de tão excitados que ficaram, ou mesmo tocarem-se sentados à secretária, correndo o risco de serem apanhados».

O João tem 36 anos, casado e fiel à esposa na vida real, não costuma ter aventuras. Gosta da sedução e da conquista e de despertar desejos e a internet permite-lhe isso. «considero o poder da palavra e da fantasia essenciais para momentos de prazer muito bons. Tanto gosto de ver, como de ser observado e desejado na câmera, mas nunca mostro o rosto, apenas o meu corpo. Apesar de adorar sexo virtual, não o faço com qualquer pessoa, sou muito selectivo nas pessoas e na entrega, uma mulher tem de mexer muito com a minha imaginação, para existir essa partilha e troca de prazer».


O Marcelo é solteiro, tem 31 anos e é um pouco tímido. Revela que a net o faz soltar-se mais um pouco e ajuda-o a quebrar essa timidez. «sou tímido, mas tenho a imaginação muito fértil. Posso usar cam ou não, depende do meu envolvimento com a pessoa do outro lado. Gosto de envolvê-la, fazê-la imaginar uma cena, de algo muito prazeroso. Quando escrevo, imagino a cena e é impossível não sentir prazer junto com ela. Gosto de fazê-la soltar-se e liberar os seus desejos, fico louco quando me conta que está se tocando para mim e mais louco ainda, quando me deixa ver»

video


A Vânia tem 35 anos, casada há quinze e diz que procura novas emoções, não mostra o rosto, a não ser que confie muito na pessoa do outro lado, mas adora despir-se e exibir-se na cam. «vê-los de pau duro e loucos por mim, dá-me um tesão louco. Acabo ficando louca também e quase sempre a brincadeira acaba em um ou vários orgasmos mútuos, bem molhados, sou louca por isso, é uma espécie de vício gostoso».



 O Alexandre é solteiro, tem 34 anos e diz ser um adepto de sexo virtual, que muitas vezes passa para o real « o sexo virtual faz-me sentir uma adrenalina indescritível. Um pico de adrenalina no corpo e na mente, que é diferente de estar face to face. Sentir prazer, enquanto do outro lado do computador alguém se despe de preconceitos para nós, as palavras podem até dar mais prazer que as imagens e uma palavra certa no momento certo, é afrodisíaco nos meus ouvidos»


video

Só não vale viciar e esquecer o sexo na vida real. Sexo virtual é bom, como um complemento à nossa rotina, mas nunca deverá servir como um substituto. Gozem, divirtam-se, mas com moderação.

E tome os devidos cuidados, mas muitas pessoas não são aquilo que dizem ser e as desilusões sempre acabam por acontecer...



O meu obrigado, ao 
http://mistercharmoso.blogspot.pt/ que me deu a sugestão de fazer uma postagem sobre sexo virtual. beijocas para ele






quarta-feira, 26 de setembro de 2012

AS CINQUENTA SOMBRAS DE GRAY - O LIVRO DO MOMENTO


O livro de que todos falam. Estou a meio da história e apesar de, para mim, ter grandes falhas, a história é cativante e bem excitante. Fica  aqui a recomendação e a SINOPSE do livro
BOAS LEITURAS E INSPIREM-SE!!!!



Sinopse
As Cinquenta Sombras de Grey é um romance obsessivo, viciante e que fica na nossa memória para sempre.

Anastasia Steele é uma estudante de literatura jovem e inexperiente. Christian Grey é o temido e carismático presidente de uma poderosa corporação internacional. O destino levará Anastasia a entrevistá-lo. No ambiente sofisticado e luxuoso de um arranha-céus, ela descobre-se estranhamente atraída por aquele homem enigmático, cuja beleza corta a respiração. Voltarão a encontrar-se dias mais tarde, por acaso ou talvez não. O implacável homem de negócios revela-se incapaz de resistir ao discreto charme da estudante. Ele quer desesperadamente possuí-la. Mas apenas se ela aceitar os bizarros termos que ele propõe... Anastasia hesita. Todo aquele poder a assusta - os aviões privados, os carros topo de gama, os guarda-costas... Mas teme ainda mais as peculiares inclinações de Grey, as suas exigências, a obsessão pelo controlo… E uma voracidade sexual que parece não conhecer quaisquer limites. Dividida entre os negros segredos que ele esconde e o seu próprio e irreprimível desejo, Anastasia vacila. Estará pronta para ceder? Para entrar finalmente no Quarto Vermelho da Dor?As Cinquenta Sombras de Grey é o primeiro volume da trilogia de E. L. James que é já o maior fenómeno literário do ano em todos os países onde foi publicado.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

ENCONTRO COM O PRAZER - PARTE 2

AUTOR - PORTUGUESINHA


O caminho para o hotel pareceu bem longo, com a pressa que tínhamos de nos encontrarmos sozinhos. Enquanto ele conduzia, eu ia fazendo carinhos nas coxas dele, sem contudo tocar-lhe entre as pernas. A sua excitação marcava o tecido da calça fina que ele usava. Pouco falamos até chegar ao hotel. Ele estacionou e puxou-me pela mão, sem sequer se preocupar em pegar a bagagem. Empurrou-me para dentro do elevador e encostou-me contra a parede do fundo, beijando-me  fortemente. A sua mão subiu o meu vestido, segurando-me no rabo e apertando com força. Comecei a gemer contra a boca dele, a excitação disparando com toda a força. As portas abriram e saímos acelerados dali.
Abrimos a porta e entramos no quarto.

Ele segurou-me por trás, colando-me contra o corpo dele e mordeu o lóbulo da minha orelha, falando:
-Finalmente a sós, minha portuguesinha gostosa. Vou te devorar inteirinha!
Mandei a mala fora e levei uma mão atrás, apertando o rabo  dele contra mim, tentando trazê-lo para mais perto. A boca dele procurava a minha nuca, esfomeado… as minhas pernas amoleceram. As mãos apertavam-me os seios por cima do vestido. Os bicos estavam duros, buscando carícias diretas. Lancei um gemido mais alto:
-Aiiiii…despe-me! Toca neles direto, vem!
Ele puxou o meu rosto e beijou-me forte, a sua língua devorando a minha. Senti ele subir o vestido e apertar o meu rabo, com força. A minha ratinha pulsava já, pedindo atenção, molhando as coxas. Empinei-me para trás, roçando-me nele. Ele puxou o vestido para baixo, deixando-me só com um pequeno soutien de renda cor-de-rosa. Deu um gemido e desapertou-o:
-Quero essa tetas gostosas soltas, sem nada.
As mãos abarcaram os meus seios, apertando, segurando os bicos entre os dedos, espremendo. Eu estava louca já:
-Ainnn... não aguento mais, dá-me ele, vem. Quero-o dentro de mim, agora.
Ele deu uma risada no meu ouvido:
-Quer ele, safadinha? Quer ele dentro de você?
Ele foi empurrando-me contra as vidraças do quarto e afastou a cortina para o lado. Via-se as luzes de Lisboa, iluminando a noite. O quarto ficava no penúltimo piso, mas havia outros prédios em frente, ao mesmo nível… era possível a quem estivesse próximo das janelas, nos ver.

 Ele segurou nas minhas mãos e colocou-as no vidro, fazendo-me empinar o corpo para trás…levantou-me os braços e arrancou o meu vestido, deixando-me nua, exposta a quem estivesse nos prédios em frente.
A sua boca mordia a minha orelha, enquanto as mãos apertavam meus seios, deixando os bicos duros.
-Tem coragem? Já imaginou alguém olhar pelas janelas e ver você assim, toda exposta? Já imaginou?
Eu estava louca, nunca me tinha imaginado fazendo algo assim, mas a ideia de que alguém pudesse estar nos vendo, deixava-me excitadíssima.
-Vem, quero-te  aqui mesmo. Não me faças esperar!
Ele foi despindo a roupa, até que senti o seu corpo nu e quente, colado contra o meu. O cabeça do seu cacete roçava no rego do meu rabo, atiçando-me e deixando-me com mais vontade. Aquela tortura durou uns minutos… sentia os meus sucos escorrerem pelas pernas, de tanta vontade. A cabeça roçava na entrada, afastando os lábios e penetrando só um pouco. Apertei-a contra mim, tentando encaixar-me nele, mas ele não deixava:
-Malvado. Quero ele, mete logo, vai!
-Xiiiiuuuu… sou seu macho, minha putinha, sou eu que mando, só vou meter quando eu quiser, ouviu?
Ele não ia meter? Pois então, eu ia gozar assim mesmo, esfregando-me na cabeça. Apertei-a na entrada e rebolei, roçando meu grelinho duro nela. Os gemidos aumentaram de volume, e gozei assim mesmo, só contraindo e sentindo aquela fricção gostosa. Ouvi um gemido dele:


-Putinha, Você me deixa louco! Toma!
Ele investiu de uma vez, me segurando pelos cabelos e enterrando aquele pau gostoso até ao fundo. Dei um grito. Ele preencheu-me por inteiro, se não fosse eu estar tão molhada, teria ficado dorida. Apertei-o dentro de mim e rebolei nele. O meu corpo ganhou vida própria e o orgasmo não aliviou meu fogo. Estava meio alucinada:
-Ainnnn…mete gostoso, mete. Faz-me vir mais!
Ele puxou o meu cabelo com mais força, obrigando-me a empinar mais e investiu com força. Senti umas palmadas no rabo, atiçando-me mais ainda:

-Rebola, minha vadia. Goza mais, vai, goza pro seu macho. Goza, minha putinha!
Quem resiste a um apelo desses? Gozei de novo, quase gritando, contraindo o pau dele, duro como pedra. Senti as forças faltando, mas ele segurava-me, não me deixando cair. Os espasmos não paravam, eu rebolava feito louca, o orgasmo não parava, não abrandava… era contínuo. Ele ficou louco com isso:
-Ahhhhh… safada, gostosa! Vou encher você de leitinho. Mas antes vc vai gozar até ficar sem forças.
Finalmente, veio um mais forte, que acabou comigo, tirou-me as forças e deixou-me só tremendo, espremendo a pau dele dentro de mim:
-Ainnnn… goza pra mim, amor. Dá-me leitinho, vem. Goza bem gostoso!
Ele não conseguiu segurar mais e com uma última estocada, gozou lá no fundo, urrando e pulsando dentro de mim…
Deixei meu corpo descair até ao chão e ele veio junto. Ficamos um bom tempo ali deitados, na carpete macia, abraçados, até a respiração voltar ao normal. Acabamos por adormecer um pouco, ali mesmo. Acordei com ele me beijando e me chamando para irmos tomar um banho juntos.

Ele abriu as torneiras e deixou a água escorrer nos nossos corpos, ensaboando cada pedacinho do meu corpo beijando-me. A excitação voltou em força. Cada toque dele, arrepiava-me inteira. Tocou cada pedacinho de mim com as mãos, lavando, ensaboando… somente não me tocava onde eu mais queria. A minha ratinha já contraia, de tanta vontade. A sua boca devorava a minha, com delicadeza e fúria misturadas.

Era incrível o poder que ele tinha sobre o meu corpo. Enchi a mão de espuma e segurei no cacete dele, que já estava duro como pedra. Massajei-o e deliciei-me, sentindo a respiração dele acelerar aos poucos. Os gemidos enchiam a box do duche e o vapor do calor da água e dos nossos corpos, embaciava tudo.
 Desci o corpo e coloquei a erecção dele na minha boca, chupando-o todo. O sabor dele junto com a água dava uma sensação diferente e bem prazerosa. Ele segurava-me pelos cabelos, gemendo baixinho:
-Aiii…adoro essa boquinha deliciosa. Assim vai me deixar louco de novo, safadinha. Eu ri e insisti na chupada, punhetando-o na base, ao mesmo tempo. Ele deu um urro e puxou-me para cima. Virou-me de costas e mordeu o meu ombro.

Segurou-me nas ancas e deslizou o pau dele, para dentro de mim. Entrava mais apertado, por causa da água, enchia-me completamente. Segurei-me à parede e empinei o corpo para trás, facilitando a penetração. Começou num ritmo lento, que me foi deixando cada vez mais excitada. Quando comecei a rebolar com mais força, ele aumentou as investidas. Mordi os lábios, descontrolada:
-Ainnnn…mete mais forte, amor, mete. Isso…assim, quero gozar assim.

Ouvia-se o barulho forte das estocadas molhadas. Não aguentei muito tempo e derreti-me contra ele num orgasmo bem intenso. Se ele não me segurasse, teria caído de joelhos, tremendo.
Ele desligou a água e levou-me para fora da banheira. Enxugou-me com uma toalha macia, espalhando beijos no meu corpo ainda excitado, enquanto me secava. Apoiou-me na beira do lavatório e beijou as minhas coxas, mordiscando de leve, subindo para a minha ratinha. Mordeu-me a virilha e aproximou-se dela. Espalhou beijos suaves, que me arrepiavam. Segurei a cabeça dele e puxei-a para mim, pedindo mais.
Ele deslizou a língua nela, várias vezes, enfiou-a dentro, deu chupadinhas, deixando-me excitadíssima de novo. Eu já rebolava na boca dele, procurando mais prazer, mas ele parou, sem eu esperar. Eu reclamei:
-Não páres, por favor! Quero mais!
-Quero fazer outra coisa com você. Achava que eu ia resistir a comer esse cusinho gostoso? Achava, minha putinha?... Você vai gozar, sim, mas com ele dentro do seu cusinho.
Ele virou-me e agarrou num frasco de lubrificante. Passou uma boa porção no seu pau e no meu cu. Eu ainda tentei fazê-lo desistir, mas não adiantou:
-Ainn, não vai caber, você é muito grosso, vai doer muito!
-Vai sim, vou fazer com carinho e você vai aguentar ele todo. 

Ele baixou-me o corpo, fazendo-me ficar de cócoras e foi esfregando a cabeça na entrada. Eu contraí, sem perceber:
- Não faz isso, amor. Relaxa, faz força para fora, vai. E esfrega o seu grelinho. Vai entrar mais fácil assim, eu não tenho pressa. Faz você.
Eu fiz o que ele falou, fui esfregando o meu clitóris, que continuava excitado e relaxei. Senti a cabeça a entrar lentamente, fiz força e ela entrou, magoando um pouco e fazendo-me gemer. Ele parou e foi beijando as minhas costas. Mexia-se devagar na entrada, controlando-se ao máximo. Eu fui esfregando-me, sentindo o prazer aumentar e sem perceber ele foi deslizando devagar, entrando mais e mais dentro de mim. Quando eu comecei a gemer mais, ele deu um empurrão maior e senti as bolas no meu rabo. Tinha entrado todo. Eu contraí, mas era tarde, já estava todo dentro. O jeito era disfrutar. Comecei a rebolar de leve e o ardor foi aliviando, até a sensação ficar boa, prazerosa. Coloquei-me de joelhos e  ele foi acelerando aos poucos, ao mesmo ritmo da minha mão. Nunca pensei aguentá-lo todo, senti prazer com isso:
-Safado, não querias comer meu cu? Então come-o, vai! Come bem gostoso, como tu gostas!
Ele segurou-me e começou a investir com mais força:
-Ainnn… que cusinho quentinho e apertado, Ana. Assim eu não resisto, minha cadelinha.
As investidas aumentaram, até o corpo dele bater com força contra o meu. Senti o meu orgasmo próximo e apertei o grelinho entre dois dedos, esfregando-o. Gritei de prazer. As estocadas dele aumentavam o meu prazer e não resisti muito mais:
-Ainnn…vou me vir toda, amor. Não aguento. Vem comigo, vem. Juntinhos.
-Vou, sim…não aguento mais. Agora... aiinnnn.
Apertei-o dentro de mim e enfiei dois dedos na ratinha, gozando muito forte. Senti ele estocar fundo e me encher de leitinho, dando um urro de macho satisfeito.
Deixei descair o corpo e fiquei deitada no chão. Ele abraçou-me e ficamos ali colados, até as respirações acalmarem. Ele segurou-me no colo e levou-me para a cama. Acabamos por adormecer nos braços um do outro, satisfeitos…pelo menos durante algumas horas… até ao amanhecer, onde voltou tudo de novo. Foram uns dias inesquecíveis.











domingo, 23 de setembro de 2012

ENCONTRO COM O PRAZER - PARTE 1


AUTORA-PORTUGUESINHA
Conheci um homem maravilhoso, há cerca de dois anos, num site onde publicávamos os nossos contos eróticos… a nossa amizade foi crescendo ao longo do tempo, junto com a cumplicidade e o carinho que tínhamos um pelo outro. O desejo de nos encontrarmos cara a cara foi crescendo cada vez mais, mas ele era brasileiro e tínhamos um oceano entre nós, o que complicava tudo.… até que um dia surgiu essa oportunidade. A firma onde ele trabalhava ia enviá-lo durante uma semana a Portugal, para fazer uma formação. Ficamos muito excitados com a oportunidade de finalmente nos podermos conhecer.
Não poderíamos perder essa oportunidade que o destino nos oferecia. Eu cuidei de tudo para ele e pedi-lhe que não se preocupasse com nada. Reservei-lhe um quarto num hotel que ficava próximo de onde eu morava.
No dia da chegada dele, arrumei-me toda, fui arranjar o cabelo, caprichei na maquilhagem e vesti um vestido novo que tinha comprado para essa ocasião e que me ficava muito bem, colando-se no meu rabo grande, que eu sabia que ele adorava. O decote deixava os seios bem visíveis, que era o que eu queria.
Fui esperá-lo ao aeroporto e quando o vi na minha frente o meu coração quase que parou. A emoção era grande demais e caí nos braços deles, num abraço bem apertado. 
O cheiro gostoso dele envolveu-me e deixou-me toda arrepiada. Ficamos calados, só nos olhando e nem sei quem avançou primeiro, mas quando percebi, as nossas bocas estavam coladas num beijo quente… faminto… que tanto tínhamos imaginado. Foi ainda melhor que o esperado e meu corpo reagiu na hora. Os bicos dos seios ficaram excitados e duros e dei um gemido, segurando os cabelos dele. Ele descolou a boca e falou no meu ouvido, enquanto mordia o lóbulo de leve:
-Minha portuguesinha deliciosa, não vejo a hora de ficar sozinho com você!
Saímos dali, antes que perdêssemos o controlo e levei-o a jantar. Escolhi um restaurante bem reservado, pois fazia tempo que tinha uma fantasia em mente, que eu queria realizar…. Aliás, já tinha contado isso para ele nas nossas conversas. O restaurante ficava no cimo dum prédio e tinha um terraço aconchegante à média luz. Pedi para reservar uma mesa num recanto mais afastado, junto a uma trepadeira, que nos deixava com alguma intimidade. Dali via-se Lisboa à noite, cheia de luzes brilhantes. As mesas estavam cobertas com uma toalha até ao chão, num tecido grosso. Olhei para ele e mordi os lábios. Ele entendeu, vi que ele se lembrava duma conversa que tivemos há muito tempo. Ele deu uma risada e falou:
- Você não teria coragem, Ana!
Eu dei uma gargalhada:
-Queres apostar?? Eu não apostaria.
Ele puxou a cadeira para eu me sentar e sentou-se na minha frente. Só estávamos nós no terraço, pois corria um ventinho fresco e a maioria dos clientes preferiram ficar no interior do restaurante. Um empregado veio anotar os pedidos e fomos bebendo um aperitivo, enquanto esperávamos vir a comida. Os olhos dele não saiam dos meus, esperando para ver o que eu fazia. Tirei a minha sandália e toquei com o pé na perna dele, fazendo-o dar um pulo na cadeira. Subi o pé um pouco e passei-o no meio das suas pernas, enquanto bebericava o vinho, fingindo estar distraída. Ouvi um gemido:
-Malvada, você me paga. Deixa eu te pegar logo mais no hotel e você vai ver só o que vou fazer contigo!
Ele reclamava, mas estava adorando aquilo. Fiz mais pressão, sentindo o mastro duro e quente debaixo do meu pé.
-Nossa, isso é tudo para mim? Mal posso esperar! Sabe que sonho até com o sabor dele? Hummm... que vontade de prová-lo…
-Ana, Ana… não brinca com o fogo…
Eu gargalhei. Nesse momento, chegou a nossa comida e concentramo-nos em comer, mas o clima de excitação estava sempre presente. De vez em quando, voltava a passar o pé lá e falava:
-Psiuuuu… não deixes ele baixar, quero-te assim, duro... com vontade de mim.
Acho que nenhum de nós apreciou devidamente a comida, devido ao clima de excitação. Quando pedimos a sobremesa, o empregado falou que ia demorar um pouco, pois tinha um grupo para atender lá dentro e pediu desculpas.
Era o que eu precisava ouvir. Mal ele saiu, deixei cair o guardanapo no chão, falando:
-Opsss…que desastrada!
Ele arregalou os olhos:
-Ana, você não vai mesmo fazer isso, vai??
-Duvidas?? Vou só pegar o guardanapo, relaxa!
 Deslizei o corpo para debaixo da mesa, ficando escondida. Uma vez tínhamos falado nessa fantasia minha, que agora eu iria colocar em prática.
Dirigi-me a ele e abri o fecho da calça, deixando ver um volume enorme por baixo… passei a mão por cima da cueca, arranhando de leve com as unhas, fazendo o cacete dar um pulinho...ouvi a voz dele, rouca:
-Louca!!! Ainnn… chupa ele, vai, safada! Está me deixando louco de tanta vontade.
Desci a cueca e segurei naquele cacete grossão que ele tinha. A cabeça era impressionante. Desci a boca e dei uma lambida nela… depois outra… e abocanhei-o na ponta dos lábios. Dei umas chupadinhas de leve, torturando-o, sentindo o seu sabor… mordendo de leve… espalhando beijinhos. Ele começou a contorcer-se na cadeira, respirando fundo:
-Safada, está me deixando louco… chupa mais, vai… chupa com mais força… já que começou, não pára!
-Psiuuu… quem comanda aqui sou eu… fica aí quietinho, esperando o empregado chegar com os doces.
Segurei no pau dele e dei umas pancadas no meu rosto, esfregando-o na boca, no pescoço, nos seios… mas sem lhe dar o que ele queria:
-Affffffff… vc quer me matar, minha portuguesinha? Chupa ele, amor, vem… chupa ele todo. Não me maltrata mais!
Eu fiz-lhe a vontade… abocanhando aquele pau gostoso, que me obrigou a abrir bem a boca, deixando-o deslizar até bater no fundo da garganta…  mesmo assim ficou um bom pedaço de fora. Apertei-o e fui chupando com vontade, mas devagar… entrando e saindo com a boca, fazendo pressão. Nessa hora, o empregado chegou. Ouvi a voz do empregado perguntando por mim e querendo saber se podia servir as sobremesas. Ele tentou empurrar a minha cabeça, mas não o deixei. Ele gaguejou um pouco, meio atrapalhado e lá conseguiu disfarçar. Atolei-o dentro da boca e fui mamando, sem fazer barulho, mas sem o deixar fugir. Sentia o esforço dele, para manter a  compostura, enquanto o empregado servia os doces e ele falava que eu tinha ido lavar as mãos. Assim que o empregado saiu, ele segurou os meus cabelos e foi metendo na minha boca, com força, meio alucinado:

-Safada, gostosa. Vai tomar leitinho, de castigo. E vai engolir tudo, ouviu? Ahhhhhhhhhhh…chupa mais, vai!...isso, aperta… vou gozar!!
Senti ele pulsando e jorrando na minha boca. Veio com tanta força que até me engasguei, mas ele nem me deixou tirar a boca. O jeito foi engolir tudo, sem reclamar. 
Tinha um sabor delicioso e apesar de sair muita quantidade, deixei-o limpinho. Lambi cada gota, até ele parar de gozar. Fechei o fecho das calças dele e saí discretamente debaixo da mesa, como se nada fosse. Ele respirava fundo, olhando para mim, com um riso safado:
-Você vai me pagar isso, Ana…aii, se vai! E é agora mesmo!


Ele olhou para os lados e arrastou-me para as escadas que levavam à casa de banho, que ficava num piso inferior, numa espécie de recanto discreto. Ele empurrou-me para dentro e fechou a porta. Tinha uma área ampla, com um lavatório grande. Ele pegou-me ao colo e sentou-me em cima da bancada, sem delicadeza, devorando a minha boca e puxando o vestido para cima. As mãos percorriam as minhas coxas, procurando a beira das cuequinhas indecentes que eu tinha vestidas. A sua boca devorava o meu pescoço e o início dos meus seios:


-Safada, veio com este pedacinho de tecido minúsculo vestido, só para me provocar, não foi?

De um puxão, rasgou as cuequinhas e levou-as ao nariz, cheirando-as. Estavam molhadinhas demais.

-Tá com cheiro de fêmea no cio. Tá com vontade, é? Minha putinha tá com fome?

Segurei a cabeça dele e empurrei-a lá para baixo, ansiosa por sentir ele me chupando. O fogo consumia-me e sentia a minha ratinha contraindo de tanta vontade.

-Ainnn… tou. Vem logo, não me tortures mais!...Chupa!

Ele deu uma risada e mordeu a minha coxa… eu dei um gemido e abri mais as pernas. Ele subiu a boca e deu uma lambida longa nela, que me fez arrepiar:

-Ainnn… chupa-a toda, vai… chupa!


Ele segurou-me pelas coxas e inclinou-me mais para trás:

-Que sabor delicioso, vou te chupar até você me dar melzinho na boca, gostosa.

A boca dele apoderou-se da minha coninha, sem dó… chupando, enfiando a língua dentro e rodando… lambendo tudo, com fome. Senti o meu corpo começar a tremer,  preparando-se para explodir. Nessa hora ele aliviou um pouco, só espalhando beijos.
-Não tires a boca, safado. Chupa mais…ainnn… não faças isso, malvado!
Ele estava a fazer-me pagar a partida que lhe fiz, debaixo da mesa. Eu estava louca para gozar, para aliviar a tensão do meu corpo e ele não deixava. Só ria, debochado, enquanto dava linguadas bem de leve.
-A minha portuguesinha quer gozar, é? Melhor a gente sair, já imaginou se chega alguém e nos pega aqui?
Segurei-o pelos cabelos, meio alucinada:
-Não te atrevas a fazer isso comigo. Acaba já o que começaste… faz-me vir!
Ele olhou para mim e vi que o tesão falou mais forte. Levou dois dedos à minha boca e fez-me chupá-los. Sem desviar os olhos, enfiou-os de uma vez dentro de mim. Dei um gritinho de surpresa.

 Ele desceu a boca e segurou o clitóris entre os lábios. Foi rodando a língua a volta e sugando, enquanto os dedos friccionavam o meu ponto G. Não aguentei muito tempo e empurrei-me contra ele, explodindo num gozo intenso e longo, que me deixou a tremer. Ele ficou lambendo calmamente, até eu parar de apertar e a minha respiração voltar ao normal.
Nem foi preciso palavras, ele segurou a minha mão e saímos quase correndo dali, para o hotel, ansiosos por continuarmos o que tínhamos começado….




CONTINUA...

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

A MINHA TIA ROBERTA- PARTE 1



AUTOR - MARCELO R.J.

Muito prazer me chamo Daniel, atualmente tenho 26 anos e resido no Rio de Janeiro. Hoje vou contar a historia que sempre sonhei com a minha "quase" tia Roberta e que graças aos nossos destinos está acontecendo de uma forma muito ardente, a cada dia ficando melhor. O início da nossa paixão, foi mês atrás (início de Dezembro de 2008) e continua acontecendo, mas é algo que venho fantasiando desde a minha pré-adolescência e torço para que isso tudo continue por muito tempo.

Minha mãe possui três irmãos, dois homens e uma mulher, que é a tia Silvia. Tia Silvia se casou com um cara muito tranqüilo, o Leandro. Ele é muito boa pessoa e o melhor de tudo mesmo, é a irmã dele, que se chama Roberta. Eu nunca consegui a chamar de tia, mesmo que eu tenha a conhecido quando era muito pequeno, eu estava com cinco anos. Além do mais, quando eu a vi pela primeira vez, os meus tios ainda estavam namorando, então não deu tempo de criar laços de família com ela. Como os meus tios já estavam noivos, o tio Leandro resolveu apresentar o restante de sua família.
Era um domingo quando ele levou os seus parentes na minha casa. Quando eu vi a Roberta, eu fiquei maluco… nunca tinha visto uma mulher tão bonita. Mesmo sendo criança eu fiquei assustado, aquela mulher exuberante me causou certo espanto e também eu ouvia todos comentando sobre a sua beleza, todos atônitos. Ela era uma morena cor de jambo com estatura baixa, uns 1,69cm de altura, com cabelos lisos, negros e curtos na altura dos ombros, olhos castanhos escuros, seios pequenos, coxas grandes e roliças e com um quadril bem avantajado. Claro, eu era uma criança e não tinha malícia para tal análise dessa mulher maravilhosa, mas ouvia minha mãe comentando com meus tios, dias depois.
A minha única decepção na época, é que mesmo eu sendo criança, eu passei a sentir ciúmes por ela. Que claro, foi se agravando com o passar do tempo. Ela estava com 19 anos, era casada e tinha um filho de um ano e alguns meses. Quanto ao seu esposo, ele se chamava Alberto. Um cara muito legal e mais velho do que ela, uns cinco anos.
Os anos foram passando e logo cheguei à fase de descobrir a masturbação, e claro ela foi a inspiração, quase que sempre, das minhas fantasias. O fascínio que eu tinha por ela quando pequeno, se tornou numa paixão de pré-adolescente, tipo quando um garoto se apaixona pela professora. Ela ia à minha casa, de vez em quando, mas quando ela estava por lá, era o dia mais feliz da minha vida.

  Eu ficava numa euforia e sempre que dava, eu estava no banheiro tocando uma, em homenagem a Roberta. Já dava pra reparar que o casamento dela não estava tão bom quanto no inicio, pois aquele carinho que ela e o seu marido Alberto tinham, já não era mais o mesmo e também ouvia a minha mãe conversar com o meu pai sobre a vida da Roberta, logo isso já me fascinava e me davam esperanças (criança é tão ingênua).
Quando eu já estava com meus 15 anos, eu soube da primeira separação deles, mas logo voltaram. Depois de um ano, mais ou menos, eles se separaram de vez e segundo informações, o Alberto, agora ex-marido dela, estava  traindo-a há muito tempo e tinha uma segunda família (sujeitinho burro, a sua mulher é a mais linda e gostosa que já vi). Então ela entrou naquela fase de depressão e passou uns dias muito na merda mesmo, a tia Silvia era muito ligada a ela e nos contava a fossa em que a pobre da Roberta estava vivendo. As duas até ficaram mais próximas, a Roberta passou a dormir na casa da tia Silvia e iam à praia juntas. Iam elas, meus primos e o tio Leandro.
Logo chegaram as férias e não perdi a oportunidade, partindo pra casa da tia Silvia. Claro, sabendo que a Roberta estava também de férias por lá, eu não poderia ficar de fora. No primeiro dia foi muito tranqüilo, lá estavam os meus primos e o filho da Roberta, mas ela mesmo, quem eu tanto queria ver não estava. A tia Silvia até perguntou o porquê da minha cara de decepção, pois parecia que eu estava procurando por algo que nunca ia achar. Eu falei que não era nada, estava assim porque esperava que a casa estivesse mais animada. Ela olhou pra mim e disse: “Tá bom Daniel, vou acreditar.” e ficou me olhando com cara de suspeita, perguntei pelo restante do pessoal e ela me falou que o meu tio estava no trabalho e a Roberta estava arrumando o seu novo apartamento, mas logo estaria voltando. Passando alguns minutos, batem na porta e quando a tia Silvia abre a porta, eu tenho a visão mais impactante até então, era a Roberta que lá estava. Vestia uma calça jeans clara muito apertada, mostrando nos meio das pernas um triangulo com uma pequena racha no meio, parecido com um capô de Fusca (perdoem-me pela descrição vulgar) e um top preto também bem apertado, com um decote em “V” mostrando os pequenos, mas apetitosos seios. Ela estava com o cabelo solto na altura dos ombros, bem morena devido às praias que vinha pegando.
A Roberta estava muito gostosa, cheguei a ficar meio sem graça quando ela veio me abraçar e me deu um beijo no rosto falando: “Nossa Daniel como você cresceu, em quase dois anos que eu não te vejo, você se desenvolveu bastante heim.”, passou as mãos em meu peito e falou: “Aí Silvia, o Daniel tá ficando um gato, olha só corpo dele.”, tia Silvia na hora falou: “Pára com isso Roberta, você vai deixar o menino maluco, nunca reparou o jeito que ele te olha?”. Tia Silvia começou a rir junto com a Roberta, depois dos risos ela deu uma bagunçada em meu cabelo e se virou para ir ao banheiro. De imediato me virei e vi aquela bunda balançando e disse: “Puta que pariu, olha isso!”, eu pensei alto, falando meio baixinho. O suficiente para a tia Silvia ouvir e me chamar na cozinha, para logo começar a falar que não era pra eu ficar com esses olhares para a Roberta, que isso era coisa que eu fazia desde criança e que de certa forma, era meio constrangedor. Se o tio Leandro percebesse, poderia não gostar e ainda mais o filho dela, que também poderia ver e acabar criando um clima ruim. Acabei respondendo à tia Silvia, dizendo que a Roberta era uma mulher muito bonita, solteira e não tinha problema eu olhar pra ela. Mas prometi que eu ia olhar daquele jeito, somente quando eu perceber não ter ninguém por perto. Tia Silvia falou: “Tu não tem jeito heim, olha lá o que você vai fazer.”. No dia seguinte fomos à praia e acho que nem preciso contar como foi.

Imaginem eu vendo aquela mulher na praia de biquíni tipo fio-dental, bem pequenino, toda exuberante chamando a atenção de todos na praia. Teve dia que eu cheguei a ficar excitado na praia e tive que correr para a água para ninguém perceber o volume. Depois das férias resolvi me afastar da casa da tia Silvia, eu não queria mais causar constrangimentos em sua casa, além do mais a Roberta já estava morando em seu novo apartamento. Também depois dessas férias eu fiquei sabendo que ela estava de namorico com um cara, mas segundo informações não era nada sério e preferi me afastar.
Acabei perdendo o contato com a Roberta e fiquei uns três anos sem a ver, só voltei a encontrá-la no ano de 2004, pra ser mais preciso foi na festa de Fim de Ano. Só que aí eu já estava com as minhas “ficadas e namoros” no passar desses anos e não pretendia mais ficar naquela sede por ela, bom, pelo menos eu pretendia. Nesse ano eu já estava com 22 anos e a tia Silvia me chamou para ir com ela e a sua família passar o Reveillon na Região dos Lagos. Como eu estava solteiro naquele ano, fui sem problema, aliás, também foram os meus pais e meus irmãos, resumindo, foi a maior farra, tudo muito bom. E sem falar na grata surpresa que a tia Silvia me pregou, pois ela também chamou a Roberta. Que, infelizmente levou o seu atual namorado. Até que era um cara tranqüilo, meio calmo, mas como eu não estava com aquela intenção de antes, não esquentei muito a cabeça.
Quando chegamos à casa, tudo já estava pronto. Todo mundo muito bem arrumado, a decoração da casa a caráter, típico de Reveillon, som alto, rolando muita bebida e comida. A Roberta estava toda serelepe na festa e também meio alta por causa das bebidas. Estava com um vestido de alça meio curto, todo branco com pedras brilhantes. O vestido era meio transparente e dava pra ver que ela estava com uma calcinha pequenina branca, toda cavada naquela bunda gostosa. Nisso, ela e o restante do pessoal veio nos cumprimentar. Muitos apertos de mãos, abraços e beijos. Quando foi a vez dela me cumprimentar, não pude deixar de tentar ser mais ousado. Pelo menos, um pouco mais do que fui a minha vida toda com a Roberta, claro, eu só não podia abusar, afinal não queria parecer um safado e também o seu namorado estava por lá.
A Roberta veio até a mim e falou: “Nossa Daniel, você está cada vez maior e mais forte, caramba!” e falou perto do meu ouvido: “Tá muito lindo e gostoso!”, 

depois me deu os tradicionais beijinhos nos rosto, no último eu fui atrevido e a beijei bem pertinho da boca. Ela então me olhou dentro dos olhos, deu uma mordidinha em seus próprios lábios e se virou para cumprimentar o restante do pessoal. A festa foi passando e já quase no final. Começamos a bater as fotos e numa dessas fotos a Roberta ficou na minha frente… ela estava bem mais alta, devido às bebidas, de repente ela deu uma “ré” e encostou-se em mim. Como tenho um pau meio avantajado e fica um relevo, ela percebeu e ficou roçando a sua bunda, também avantajada, em meu pau. Aproveitei e coloquei as mãos em sua cintura, puxando-a pra mais perto de mim, logo ela colocou as suas mãos em cima das minhas e ficou assim, me acariciando de vez em quando até a seção das fotos terminarem. Sorte que o seu namorado já estava dormindo, cheio de cachaça. Aí, mais uma, vez veio à tia Silvia, me chamou para um outro cômodo e falou: “Porra Daniel, você tá maluco? A Roberta tá com namorado e você fica dando em cima dela?!?!” Então foi a minha vez de dar um fim nessa situação: “Tia Silvia, eu acho que a senhora não reparou uma coisa, a Roberta está praticamente bêbada e fica se esfregando em mim toda hora que vem conversar comigo. Ela fica passando as mãos em meu braço, peito e rosto, a senhora está sempre me punindo e desde pequeno a senhora fica nos reparando, eu já sou adulto e sei das minhas atitudes”. Tia Silvia respondeu: “É Dani, como você já sabe de suas atitudes, devia ser responsável e não ficar dando mole para uma pessoa que está bêbada e ser mais sensato. Claro, você já é adulto e não quero me meter em sua vida, mas a Roberta é comprometida e você não pode entrar na vida dela dessa forma. Se ela fosse solteira eu não ia fazer questão, até ficaria feliz se vocês formassem um casal, pelo menos mataria a sua fome, né? Pensa que eu não sei da sua paixão secreta por ela? Filho, ela é 14 anos mais velha que você e na verdade eu não acho correto pessoas de idades distantes formarem um casal. Tá bom Dani? Não fica chateado comigo, eu só quero o seu bem.” e assim terminou o derradeiro sermão da tia Silvia. Quando voltamos pra sala, o pessoal já estava procurando um lugar para dormir e a Roberta já estava dormindo, tava no sofá, largada. Tia Silvia foi e começou a encaminhar todos para os seus devidos aposentos.
No dia seguinte, ao levantar, vi que já estavam quase todos acordados inclusive a Roberta. Ela veio  e me abraçou normalmente, me desejando um bom dia e me perguntou se ela tinha feito algum vexame, pois ela foi dormir meio chapada e pode ter feito alguma besteira. Nisso eu reparei que de repente eu posso ter forçado a barra, falei com ela que não, que todos se comportaram normalmente, inclusive ela. Me bateu um certo desânimo, mas bola pra frente. Dias depois fomos todos embora, cada um pra suas casas e destinos. Meses depois fiquei sabendo que a Roberta tinha mudado de namorado e que dessa vez parecia sério.
E eu caminhei com a minha vida.
No fim de 2005 noivei com uma mulher linda, minha vida estava bela, passei ótimos momentos e realmente, momentaneamente, eu esqueci de tudo de ruim, decepções, momentos tristes e também da Roberta, perdi o contato totalmente e nem queria saber mais dela. Mas a vida às vezes nos prega peças, e que muito das vezes pensamos em desanimar. Meu noivado terminou meses antes do casamento, o mundo que construí estava acabado e era vez de novamente recomeçar e tentar apagar tudo deste recente passado. Mudei de emprego e quase mudei de cidade também, só não mudei pra ficar perto da família, pois era o que me restava.
Já no fim de 2008 eu estava terminando a minha faculdade e estava estagiando pelo curso. Na formatura consegui reunir toda minha família, fizemos uma bela festa após a formatura com muitos convidados. Muitos parentes e muitos amigos, rolou até uma Roda de Samba. Já no meio desta festa surge ela, a minha inspiração de vários anos de punheta, era a Roberta. Que chegava à festa com seu carro toda animada e pra minha alegria estava sozinha.  Veio falar com meus pais, meus tios e por fim veio falar comigo. Ela estava com seus 40 anos, mas parecia que estava ainda melhor. Incrível, aquela mulher parecia que não envelhecia. Com um vestido preto, portando algumas jóias, ela estava muito linda, acho que foi a vez, que mais bem arrumada eu a vi. Roberta veio e me abraçou bem forte, dando um beijo no rosto bem demorado e falou: “Dani, parabéns por tudo, acho que nem preciso elogiar parte por parte, você está ótimo, lindo e agora formado. Não fique triste se seus projetos antigos não deram certo, o que vale é de agora pra frente.”, falei: “Obrigado pelas palavras Roberta, o mais importante agora é a sua presença nessa festa bonita que prepararam, só faltava você pra noite ser completa, como você está aqui não me falta mais nada.”. Ela me pediu uma cerveja e foi pra festa sambar com a rapaziada do pagode, não demorou muito já tinha malandro colado e dançando com ela. Eu também estava dançando, mas não quis me aproximar muito. Talvez depois ela pudesse ficar meio doidona e ficar me atacando ou de repente agir de forma estranha com outros caras. Na verdade eu não sabia como ela poderia agir com pessoas desconhecidas, como eu estava um tempo sem ver a Roberta, eu não sabia como ela poderia reagir com a bebida.
Passando uns minutos ela percebeu que eu estava meio distante e veio falar comigo: “Dani? O que foi? Você tá distante de mim? Será que ainda é pelo Reveillon de 2004, pelas besteiras que eu fiz?” nisso eu lembrei e pensei: “Será que ela sabia o que tinha feito naquela noite?”, respondi: “Não Roberta, eu tô meio cansado dessa parada de cerimônia, festa, sabe como é né. Você tá falando do Reveillon, mas não aconteceu nada de errado Roberta.”, ela me responde: “Que é isso Dani, deixa de vergonha. A Silvia me contou o que aconteceu e também da bronca que ela te deu, ela me disse que você ficou até meio distante dela, depois daquele dia.”, respondi: “A tia Silvia sempre exagera Roberta, foi tudo normal naquela noite, só rolou uns esfregas entre nós, que ela achou coisa demais, foi só porque nos encostamos pra batermos foto e ficamos, sem querer, nos sarrando.”, nisso eu pensei: “Será que ela contou da grande atração que tenho por ela?”, então a Roberta diz: “E falando nisso, você viu aquelas fotos?”, respondi: “Acredita que ainda não vi?”, ela então aproveitou o ensejo e me convidou para ir ao seu apartamento para vermos as fotos e assistir a filmagem que foi feita na festa do Reveillon. Anotei o endereço e marquei com ela para ir no dia seguinte pela manhã. A noite chegou ao fim, juntamente com a festa e a Roberta se comportou direitinho não “atacando” ninguém durante a sua permanência por lá. No fim, fui com ela até o portão para me despedir, ela me deu um abraço bem apertado e demorado e no último beijo, me deu um beijo no canto da boca, quase um selinho, pensei seriamente em partir pra cima e a atacar com um beijo de verdade, mas me contive, não queria parecer abusado com ela. Roberta foi embora e todo o pessoal também.

Fui dormir de pau duro, onde bati umas três punhetas, coisa que não fazia há muito tempo.
Acordei no dia seguinte numa disposição inacreditável, refiz a minha barba, coloquei uma roupa leve, bermuda e camiseta, coloquei um bom perfume e parti pra casa da Roberta. Chegando lá, interfonei e ela atendeu, me mandando subir. Reparei que eu estava nervoso, ao entrar no elevador olhei para o espelho e pude perceber as gotículas de suor que se formavam em meu rosto, principalmente na testa. Quando cheguei ao corredor de seu apartamento, ela já estava me esperando com a porta aberta. Ela estava com um com um shortinho jeans não muito curto, até meio folgado, e vestia um sutiã de biquíni. Abriu um largo sorriso e disse: “Dani, mesmo te vendo ontem parece que não te via há anos e também você não vinha a meu apartamento já tem muito tempo, não é? Pode entrar, lindo, fique a vontade.”, não pude deixar de olhar aquela monumental bunda. Entramos e ela me ofereceu algo pra beber, chá gelado, refri, cerveja, água e acabei aceitando a água. Perguntei sobre o seu filho e ela falou que estava na casa do pai, passando férias. Sentamos no sofá pra colocar a conversa em dia e papo vai, papo vem e acabou chegando à parte de relacionamentos. Ela questionou sobre meu noivado, quase casamento e falei que não queria falar muito sobre isso, porque acabei me machucando muito, mas já era passado. Ela afirmou dizendo que a minha mãe e a tia Silvia também contaram pra ela sobre o sofrimento que foi, não só pra mim, mas também para todos da família. Eu disse que devido a esse relacionamento, eu acabei me afastando um pouco dela e ela falou que não, pois ela também passou por relacionamentos meio malucos e também perdeu o contato comigo.
Roberta estava com os pés em cima do sofá quase encostando-os em mim, na verdade eu nunca tinha parado pra reparar os seus pés, que eram lindos por sinal, bem pequeninos e a as unhas bem feitas. Perguntei quanto que ela calçava e me respondeu que 35, falei com ela que nunca tinha reparado nos pés dela e jamais imaginei tocá-los, complementei, falando o quão lindo eles eram. Perguntei se poderia tocá-los e ela afirmou somente com a cabeça, pus as mãos e comecei a fazer carinho, cada toque era como se fosse uma inspeção. Passando os meus dedos entre os dedos dos pés, apalpei a sola sem fazer cócegas e pude a ouvir dizendo que estava muito bom e que eu poderia continuar. Claro, afirmei. Notei que os pelinhos das pernas, todos loirinhos, que em contraste com a sua pele bem morena, estavam arrepiados. Fui subindo, acariciando pela canela direita até chegar ao seu joelho e descia novamente para os pés, ela de olhos fechados falou: “Dani você tem uma mão que, meu Deus, deixa qualquer mulher derretida.” resolvi parar e ver qual seria a sua reação. Ela abriu os olhos e falou que eu poderia ser massagista, mas o único problema é que as clientes poderiam me causar um certo transtorno e começamos a rir. Aproveitei a oportunidade e falei que com a minha ex-noiva, eu conseguia fazer muitas coisas com ela, após essas massagens, Roberta me respondeu: “Até imagino o quanto de prazer devia ser.”, olhei pra ela e dei um sorriso meio sem graça, porque achei ter falado merda.
Ela então me chama para vermos as fotos do Reveillon de 2004, fomos pro seu quarto e liguei o ar condicionado a seu pedido, a Roberta subiu na cama e pegou em seu armário umas caixas com várias fotos e cada caixa ela separava por ano. Vieram as primeiras fotos e a mostravam com o ex-marido e o seu filho pequeno ainda, depois as fotos de quando pela primeira vez eles foram a minha casa. Roberta mostrou como eu era pequenino e fez um comentário, falando que não imaginava o homem que eu ia me tornar e comentou: “Nossa, como eu era bonita, olha o meu rosto, olha a minha pele e o meu corpo, meu Deus o tempo passou” e levemente lacrimejou os olhos.
 Falei que não era muito bem assim, esse papo de tempo com ela, pois ela estava muito mais linda e que os anos serviram pra deixá-la muito mais mulher do que antes, e lhe disse: “Olha o seu rosto Roberta, continua linda. Fique sabendo que você é e sempre será a minha musa.”, passei as mãos em seu rosto e falei: “A pele parece até de um neném, o seu corpo malhado de academia está cada vez melhor, com capacidade para ser Rainha de bateria em qualquer escola de samba.”, após o comentário dei lhe um forte abraço e falei em seu ouvido: “Feliz é o homem que pode ter você como amiga, companheira, namorada, mulher e amante. E te peço Roberta, pára de falar essas coisas que deixam você pra baixo. Tá bom?”. Fomos passando as fotos e rindo com as imagens, logo chegaram às fotos do Reveillon.
Quando chegou à foto que estávamos juntos, ela olhou pra minha cara e falou: “Tá vendo, foi você que se agarrou na minha cintura, eu estava apenas com as mãos em cima da sua’, justifiquei: “Também, Roberta, quando você encostou-se, roçando a bunda e não se retirou, eu fiquei maluco e puxei você pra perto de mim mesmo, imagina só um moleque com os hormônios todos em ebulição, tendo uma mulher como você encostada em mim”, começamos a rir divertidamente.
Roberta aproveitou e pediu se eu podia fazer mais uma massagem nela, falei que sem problema, e coloquei as mãos em seus pés, ela segura em minhas mãos e pede: “Faz nas costas?”, peço pra ela deitar na cama, mesmo estando bem fresco devido ao ar condicionado, eu estava suando na testa. Ela deitou de bruços, colocou o rosto pro lado e as mãos pra baixo na direção da cintura. Fiquei de joelhos na cama e comecei pelos braços, fui massageando e depois passei para o outro braço. Fui subindo, cheguei aos seus ombros e fiquei os acariciando, fui para o pescoço e aí ela se arrepiou toda e com a voz bem mansa falou: “Não faz isso não Dani, tira a mão daí, você já descobriu o meu ponto fraco.”, 

retirei as mãos e comecei a descer pelas costas, massageava costela por costela, passava os dedos por toda a coluna sentindo todos os pontos de tensões em sua musculatura.
O problema é que eu estava em uma posição muito ruim e ficava pulando de um lado pro outro, ela percebendo falou: “Putz, esse teu pula-pula na cama, tá estragando o clima da massagem.”, “O que posso fazer Roberta, eu tô sem posição.”, ela então abriu os olhos e perguntou se eu me posicionasse em cima da sua bunda, deixando-a entre as minhas pernas, não ficaria melhor, respondi que sim, que seria possível, mas seria meio constrangedor. Ela falou: “Deixa de bobeira Dani, fique a vontade.”, nessa mesma hora me passaram mil coisas pela cabeça (a de cima e a de baixo), então me posicionei quase sentando em sua bunda, mas estava meio estranho, achei melhor me apoiar de joelhos na cama posicionando a minha virilha em suas nádegas. Deixando a sua bunda exatamente abaixo do meu pau. Roberta passou os braços pra cima cruzando-os fazendo uma espécie de travesseiro para apoiar a cabeça e deu uma ajeitadinha na bunda até se encaixar junto a mim, me deixando com dúvidas se esse movimento foi proposital. Recomecei a sessão de massagens, parti da cintura pra cima, passava as mãos pelo cóccix, sentia aqueles dois furinhos que ficam acima da bunda, toda mulher muito gostosa tem. Nisso ela me diz que está muito gostoso e relaxante, logo pede para que eu desamarre o sutiã do biquíni para que eu possa massagear as suas costas por inteiro, nesse momento o meu pau já estava igual a um vergalhão, eu apertava aquela cintura com as duas mãos que me dava a impressão de estar a possuindo de quatro, e ela de vez em quando dava umas mexidinhas, que me deixava louco. Ficamos nessa massagem por uns 10 minutos, até ela me pedir para buscar um creme em seu banheiro para a massagem ficar mais relaxante, fiquei meio preocupado em levantar e mostrar o tamanho da minha excitação, mas não esquentei a cabeça, como ela estava de olhos fechados levantei e fui buscar. Aproveitei e tirei a minha camiseta, a temperatura naquele momento estava altíssima. Quando voltei, ela estava novamente com os braços pra baixo e com a cabeça para o lado, não sabendo o motivo, ela me pede um beijo no rosto. 

Dei um beijo daquele de fazer barulho em sua bochecha e novamente ela pede mais um beijo, só que quando eu fui dar mais um beijo, eu não sei de onde eu inventei de passar a língua em seus lábios, ela falou: “Hum que gostoso, faz de novo.”, quando eu fui fazer novamente, ela foi se virando me atraindo para os seus lábios, já mudando de posição ficando agora deitada com as costas no colchão. Foi como se eu estivesse explodindo por dentro, era um beijo de sede, como de quem está beijando pela primeira vez, mas nada atrapalhado era um beijo de pegação. Eu me posicionei ficando de joelhos entre as suas pernas e a beijando loucamente, como sempre desejei, chegávamos a ficar sem fôlego e babados, ela vinha e lambia onde estava babado em meus lábios e eu fazia o mesmo nela, se tornando um beijo com carícias bem ousadas. Fui para o seu pescoço e comecei a beijar bem cadenciado, dando pequenas mordidas, quando fui descer para os seios, levei um susto porque eles já estavam descobertos, me esperando, tinha esquecido que retirei o sutiã do biquíni pra fazer a massagem. 

Quando beijei e lambi o primeiro seio que vi, ela começou a gemer, não me contendo dei uma leve mordida e apalpei o outro com a mão, passando para esse outro logo em seguida. Com as mãos livres, a Roberta agarrou em meus cabelos e me puxa para mais uma seção de beijos molhados, quando parecia sem ar, ela se acalma e me chama para deitar ao seu lado na cama.
Roberta põe a cabeça em meu peito, me dá alguns beijinhos e fala: “Dani, será que estamos agindo certo? Sei lá, somos praticamente da mesma família.”, pedi pra não pensarmos em nada naquele momento, que era pra apenas curtirmos. Eu estava esperando esse momento há muito tempo e jamais queria que ele terminasse, ela então falou: “Então era verdade o que a Silvia falava comigo, que você desde criança era louco por mim, nunca imaginei que isso fosse verdade.”, olhei pra ela e falei: “Roberta, acho que todos os bons sentimentos que ainda não foram despertados em mim, você acabou de despertar e agora eu só quero te amar, como sempre te desejei.” ela se levantou, se desfez do short e quando ia se despir por inteira, eu retirei as suas mãos e falei: “Deixa essa parte comigo, quero descobrir cada detalhe de seu corpo.”, fiz a Roberta se deitar na cama novamente, tirei a bermuda e a cueca, ela olhou para mim e falou: “Meu Deus não acredito que você se tornou isso tudo.”. 

Sem esperar ela partiu pra cima e caiu de boca, lambia somente a cabeça, depois tentava colocar na boca até onde aguentava, tirava e lambia em volta da cabeça todinha e partia para o resto, lambia tudo, depois colocava o pau de lado na boca com a cabeça e os pelos pra fora e ficava dando mordidinhas que era uma coisa de louco. Lambia a cabeça novamente, partiu para o saco e ficou quase uns cinco minutos e depois partiu para a cabeça de novo, daí ela começou um tira e bota com a boca, que parecia que ela que estava comendo o meu pau. Eu não aguentaria mais que alguns minutos e falei que tava quase gozando, ela falou o que ela mais queria era beber a minha porra, pois já tinha tempo que ela não provava desse mel… sendo masturbado por sua boca, ininterruptamente, comecei a gozar e junto vieram os meus urros de alívio, conquista, realização e prazer. Sei lá, só sei que foi maravilhoso. Ela ficou chupando até sentir que não saía mais nada do meu pau. Como o meu pau continuava duro, não a deixei tomar ciência, se não eu não poderia partir pra sua buceta, parte que eu tanto almejava em conhecer. A deitei na cama, de barriga pra cima, fui até a sua testa e dei um beijo em sinal do respeito que tinha por ela, e também é um gesto que faço quando estou apaixonado pela mulher que está comigo. Roberta ficou meio sem entender o meu gesto, mas me olhando com um olhar de apaixonada, beijei a sua boca e fui descendo para os seios, chupei bastante cada um, depois fui descendo beijando dando lambidinhas pela barriga abaixo, até chegar naqueles pelinhos dourados na região do umbigo, ali fiquei por mais tempo beijando e lambendo toda aquela região. Pela forma que ela apertava a minha cabeça e puxava os meus cabelos dava pra sentir o prazer que ela estava sentindo, dei um beijo em sua buceta por cima da calcinha, que já estava umedecida e exalava um cheiro indescritível. Depois passei os beijos, seguido de lambidinhas para a coxa e a coloquei com as pernas arreganhas num pré “frango assado”, dava pra ver aquela calcinha toda enfiada na bunda e também na buceta formando aquele lindo triângulo.
Comecei a lamber até a metade da coxa e vinha até as extremidades da calcinha e passava a língua por todo o limite da calcinha de um lado até o outro, ela não aguentando mais, enfiou os dedos na calcinha e a puxou para o lado mostrando a sua linda fenda, toda molhada e raspadinha, que chegava a estar brilhando. No meio dessas sensações, ela gritou quase que gemendo: “Por favor, me chupa logo, eu não tô aguentando mais.”, retirei a sua mão da calcinha, e novamente a coloquei no lugar. Fui ao seu ouvido e falei com a voz bem baixinha: “Calma Roberta, eu te aguardo desde criança, me deixa curtir todas as suas sensações, bem devagar.”, ela me olhou com a voz trêmula e falou: “Dani, eu ainda não tô acreditando nisso tudo, por favor, eu não aguento mais essa tortura.” e em seguida ela me puxa e começa a me beijar desesperadamente, nos beijamos por alguns minutos. Novamente desci para os seios, ali fiquei saboreando e sentindo aquela pele se arrepiando e em seus poros brotando gotas de suor, que nada mais era do que os vestígios do tesão. Fui descendo até alcançar a calcinha, onde comecei a retirar a calcinha com os dentes bem devagar, ela ficava levantando o quadril de um lado pro outro tentando me ajudar a retirar mais rápido a sua calcinha, quando a calcinha estava abaixo do joelho eu terminei de retirar com as mãos, mas bem devagar. Enfim ela estava ali na cama toda nua pra mim, com a buceta raspadinha toda babada devido à lubrificação que escorria por toda a sua extensão. Dava pra ver aquele clitóris minúsculo me esperando loucamente e mais abaixo eu via aquela linda fenda, com os lábios bem pequenos, parecendo que foram feitos com bisturi.
Parti pro meu desejo, tava difícil de acreditar. Primeiro eu toquei o clitóris com o polegar, que pareceu um botão de gemidos e gritos, não resistindo mais, caí de boca e ali fiquei até constatar que a Roberta tinha chegado ao primeiro orgasmo comigo, ela oscilava as mãos na minha cabeça me puxando os cabelos e também na própria cabeça, onde colocava as mãos em cima de cada orelha, numa imagem que parecia que estava desesperada. Roberta se virou ficando de bruços e foi se levantando bem devagar até ficar de quatro, lembrando uma leoa pronta para a caça. Com a cabeça de lado, encostada ao colchão e com as mãos entre as pernas, ela me pedia quase esbravejando, que era pra eu começar o mais rápido possível a penetração. Eu dei uma olhada para o meu pau e vi que ele estava pingando, tipo num ato de incentivo, pensei: “Chegou à nossa hora meu camarada!”.
Fui enfiando devagar, me apoiei em sua cintura e comecei o vai e vem bem vagaroso, mas sem parar.
 Só ouvia os seus gemidos, que eram muito diferentes de todos que eu já tinha ouvido até então, fiquei nessa posição até quase gozar. Quando achei melhor sair e voltar a dar uma atenção especial em sua buceta, a intenção era dar um tempo e retardar o meu gozo, pois queria ficar o mais tempo possível e proporcionar o máximo de prazer para a Roberta. Após um tempo fazendo a Roberta se retorcer em minha língua, eu a ouço implorar pra eu voltar, achei que já dava e reiniciei. Só que agora eu a coloquei de frente pra mim na posição de “frango-assado”. Não hesitei em enfiar tudo de uma vez só pra ver a sua reação, que pela expressão de seu rosto, foi um misto de dor, surpresa e prazer, e claro veio o seu comentário: “Dá pra sentir o quanto você me desejava Dani, você está acabando comigo seu safado.”, ficamos naquele ritual maravilhoso de troca de palavras, carícias, líquidos, olhares e beijos. Não resistindo mais anunciei que ia gozar, ela de imediato pediu para gozar dentro, porque ela queria muito me sentir por inteiro, todo o ápice de meu prazer. Uns 30 segundos depois do meu anúncio, comecei a urrar e a encher de porra, mas tanta porra que chegava a dar uma leve dor no seu saco. Logo depois vieram umas vibrações em meu corpo que corriam da cabeça aos pés e dava tipo uma pontada nos dedos dos pés. Caí ao seu lado e recebi um beijo maravilhoso de gratidão, realização e amor. Ela passou as mãos em meu rosto para retirar o suor, ficou entre as minhas pernas e começou beijar a minha orelha. Foi descendo pro pescoço, peito, barriga, umbigo e depois caiu de boca em meu pau para retirar o restante de sêmen que lá existia. 
Ficou ali, pra talvez esperar o meu pau cair, mas como não caiu, ela me olhou com cara de espanto e desejo, subiu novamente em meu pau, cavalgando como uma Amazona, linda, mas muito linda.

 
Passamos a tarde inteira nos amando e quase que dormi por lá mesmo. No início da noite fui embora e prometi retornar o mais rápido possível.

 Peço desculpas pela demora, mas realmente eu tinha que contar desse jeito pra tentar passar um pouco da minha história com a minha tia “emprestada” ROBERTA que tanto amo. Deixo um grande abraço para todos.